Make your own free website on Tripod.com

O carro do amanhã

Enquanto o hidrogênio não chega, os veículos com dois tanques de combustível são a alternativa aos derivados do petróleo

Fonte - Isto é - Darlene Menconi - Paris

Ninguém mais duvida que os automóveis do futuro vão produzir seu próprio combustível a bordo, usando a água como matéria-prima. Cientistas, fabricantes e governantes são unânimes em apostar que o carro do amanhã já circula pelas pistas de teste de hoje. Os protótipos movidos a hidrogênio são de longe a melhor alternativa para substituir os derivados de petróleo no longo prazo. Silenciosos e tão poluentes quanto uma chaleira, eles atraíram montadoras tradicionais, que investigam uma saída ecológica para driblar a poluição lançada pelos 800 milhões de veículos que transitam pelas ruas do mundo.

A busca pelo sucessor do petróleo há anos movimenta o imaginário das indústrias automotivas. Desde 1978, a alemã BMW testa protótipos a hidrogênio. Sua mais recente tentativa é o Clean Energy, um BMW 750hL capaz de acelerar de zero a 100 km/h em 9,6 segundos. Seu tanque tem autonomia para percorrer 300 quilômetros. 

PROTÓTIPO O BMW a hidrogênio produz seu combustível a partir da água

Se o hidrogênio acabar antes, um motor suplementar a gasolina dá conta do recado, pelo menos até o posto mais próximo. O hidrogênio é usado para produzir uma reação eletroquímica que gera a energia necessária para acionar os motores.

Carroça – Incolor e inodoro, o hidrogênio é encontrado em abundância na água, que é composta de dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio, representados na fórmula química H2O. O sucesso de qualquer novo combustível depende de uma infra-estrutura eficiente de postos de abastecimento. Os otimistas dizem que 2050 é a data limite para as reservas de petróleo darem sinais de escassez. Até lá, as companhias petrolíferas esperam que metade dos dois bilhões de automóveis previstos usem energia alternativa, como o hidrogênio, o álcool, o óleo de girassol misturado ao diesel, a bateria solar e o sopro dos ventos. 

Enquanto os protótipos a hidrogênio não alcançam o equilíbrio entre custo e eficiência, no curto prazo a aposta são os carros híbridos, alimentados por duas fontes de combustível. Parte desses modelos experimentais trabalha com uma bateria elétrica e um tanque de gasolina, ou diesel. A bateria é suficiente para os trajetos urbanos, onde o trânsito e o congestionamento igualam os  carros à velocidade das carroças do século XIX.

Um rali criado para ser o palco internacional de discussão sobre carros limpos testou no asfalto  o desempenho de 56 carros com combustíveis alternativos. A quarta edição do Challenge Bibendum, criado em 1998 para celebrar o centenário do mascote gorducho  da fabricante de pneus Michelin,  avaliou carros de marcas famosas. As européias Audi, Alfa Romeo,  Peugeot e Volvo, as japonesas Honda e Toyota e as americanas  Ford e General Motors foram algumas das que completaram o percurso entre as cidades de Heidelberg, na Alemanha, e Paris, na França.

Os testes de desempenho ocorreram no circuito de Fórmula 1  de Hockenheim, na Alemanha. Ali, ficou evidente que os carros  elétricos ainda têm chão pela frente. Nas provas de emissão de  gás carbônico (CO2), eles tiraram nota

INVENÇÃO A patinete inteligente de Dean Kamen para fugir do trânsito urbano

 

 
ECOLÓGICO O carro a bateria elétrica é silencioso e emite pouca poluição

máxima. Seu outro ponto forte foi o silêncio dos motores. O ronco modesto faria feliz o  imperador romano Claudius, que no primeiro século antes de Cristo baniu as barulhentas carruagens no calçamento de Roma, obrigando os pedestres a marcharem ou ser carregados em padiolas.