Notícias Atuais
Pesquisas
Principal

 

visitas desde 10/outubro/2001

Notícia de 30 de novembro de 2001

Japão desmente decisão sobre Protocolo de Kyoto

Fonte - Globonews

MARROCOS - Representantes do Japão desmentiram categoricamente nesta terça-feira, no Marrocos, que o país havia iniciado os trâmites para ratificar o Protocolo de Kyoto, acordo de redução de gases de efeito estufa, tal como havia apontado a imprensa.

- Nossa decisão de ratificar (o protocolo) dependerá do resultado das negociações (no Marrocos) - declarou o embaixador Kazuo Asakai. - Esperamos que a conferência culmine com êxito. O êxito abriria a porta para a ratificação do Japão.

Representantes de 160 países estão reunidos desde o dia 29 de outubro em Marrakesh, no Marrocos, na 7ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.

Asakai chefia a delegação de Tóquio nas negociações para regulamentar o Protocolo de Kyoto.

A ministra japonesa do Meio Ambiente, Yoriko Kawaguchi, chegará nesta quarta-feira ao Marrocos para reunião ministerial que faz parte da conferência, depois de passar por Washington para negociar o tema com os Estados Unidos.

A agência japonesa "Kyodo" e outras agências internacionais afirmaram nesta terça-feira que Kawaguchi iria anunciar a interlocutores americanos que o Japão havia decidido definitivamente ratificar o Protocolo de Kyoto.

A adesão japonesa tornou-se chave para a entrada do protocolo em vigor, depois que os Estados Unidos abandonaram o acordo.

Washington anunciou em março sua intenção de não ratificar o Protocolo de Kyoto, argumentando que o texto impõe obrigações apenas aos países industrializados, que sairiam prejudicados na competição com os países em desenvolvimento.

O G-77, grupo dos países em desenvolvimento, do qual faz parte a maioria dos países latino-americanos, considera que deve ser implantado um sistema de controle rígido das obrigações previstas pelo Protocolo de Kyoto. A posição foi defendida nesta, no Marrocos, pelo porta-voz do grupo.

- O mais importante é que se chegue a um sistema de vigilância rígido e isso que seja aplicado - afirmou Bagher Asadi, que é representante do Irã, em entrevista coletiva.

Ele disse que se trata de uma pré-condição essencial para a sobrevivência do protocolo.

O objetivo do encontro de Marrakesh é negociar condições para que o Protocolo de Kyoto entre em vigor. O documento, elaborado em 1997, prevê cortes nas emissões de gases poluentes causadores do aquecimento global.

Os tradicionais aliados dos Estados Unidos nas negociações climáticas, principalmente Rússia e Japão, se opõem a que se implante um sistema de vigilância rígido dos compromissos.

Asadi disse que "as objeções desses países" adiem para uma uma oitava reunião sobre o acordo climático a conclusão das negociações para a regulamentação do protocolo.