Make your own free website on Tripod.com
Notícias Atuais
Pesquisas
Principal

 

visitas desde 10/outubro/2001

Notícia de 02 de agosto de 2000

Cresce o consumo de gás natural 

Fonte - Terra

A frota brasileira de veículos movidos a gás natural deve atingir 1 milhão de unidades em 2005. A aposta é de distribuidoras de gás e empresas especializadas na conversão de motores, animadas com o aumento do consumo do produto nos últimos meses, principalmente em razão da alta dos preços de combustíveis como gasolina, diesel e álcool.O número de carros que utilizam o Gás Natural Veicular (GNV) em São Paulo cresceu 70 este ano, de acordo com informações do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Somente nos últimos três meses, foram 1,8 mil registros. Hoje a frota soma cerca de 15 mil unidades em São Paulo e 70 mil veículos em todo o País.Com o aumento do consumo, o segmento de GNV já apresenta a maior taxa de crescimento nas vendas da Companhia de Gás de São Paulo (Comgás), que dobraram nos últimos 12 meses. A empresa, controlada pela British Gas e pela Shell, comercializou nos primeiros cinco meses do ano, 20,5 milhões de metros cúbicos de gás para veículos, volume 95 superior ao do mesmo período de 99 (10,5 milhões de metros cúbicos). Gás natural custa menos que a gasolina O superintendente de Serviços de Marketing da empresa, Peter Kilmister, afirma que o GNV tem vantagens econômicas e ambientais. Por ser uma mistura de hidrocarbonetos leves e gases inertes, o GNV não é tóxico como o gás liquefeito de petróleo (GLP) ou gás de botijão.
Além disso, proporciona uma economia média de 60 para o consumidor e causa menos emissões monóxido de carbono. Na comparação entre preços também é mais vantajoso. O preço de um litro de gasolina varia de R$ 1,40 a R$ 1,48, enquanto que o gás custa R$ 0,60 por metro cúbico e rende até 20 a mais por quilômetro rodado.O pequeno número de postos que comercializam o produto, entretanto, continua sendo um dos principais obstáculos ao aumento do consumo do gás natural. Em São Paulo, existem 18 postos e duas empresas que abastecem ônibus, no Rio de Janeiro são 33 pontos e, no País, 70 postos.